Empregado Doméstico:

- Quem é?

  1. -Diarista X Empregada Doméstica

  2. -Atividades que exerce

  3. -Carteira de Trabalho - CTPS

  4. -Contrato de Experiência

  5. -Descontos no Salário

  6. -Documentos exigíveis na admissão

  1. -Rescisão do Contrato

  2. -Direitos Trabalhistas

  3. -Feriados e Horas Extras

  4. -Fundo de Garantia - FGTS

  5. -Gravidez

  6. -Outras Observações


Lei 5.859 de 11/12/72

Quem é?


É a(o) empregada(o) que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa à pessoa ou família, no âmbito residencial desta (Art. 1º da Lei 5.859 de 11/12/72).


A característica mais importante, é o fato de a doméstica não trabalhar em atividade lucrativa. Se passou a trabalhar na empresa da família, é empregada urbana, com direito a FGTS e seguro desemprego, se o empregador optar por fazer o depósito, que como veremos adiante, é facultativo.


Quem é considerado Empregado Doméstico? São exemplos Cozinheiro, governanta, babá, lavadeira, faxineira, motorista particular, enfermeira do lar, jardineiro, copeira, caseiro (se a atividade da propriedade rural não for lucrativa). Basta que todos trabalhem no âmbito residencial.



Voltar



Diarista x doméstica:


Esta matéria não é prevista claramente em lei, portanto o que se diz aqui, é a tendência das decisões na justiça.


A Justiça do Trabalho tem firmado um entendimento em suas decisões que tentarei esclarecer neste tópico.


Para que seja configurado o vínculo de emprego, são necessários os seguintes requisitos: pessoalidade (somente uma pessoa presta o serviço, sem ser substituída por outra), onerosidade (recebe pela execução do mesmo), continuidade (o serviço prestado pela empregada ocorre de forma contínua) e subordinação (você dirige a prestação do serviço), além da prestação dos serviços no âmbito de sua residência. Em geral, no caso das diaristas, todos estão presentes COM EXCEÇÃO da continuidade.


A  grande maioria das decisões na justiça, o  entendimento é de que até duas vezes por semana, não há continuidade. Mas a partir de três vezes sim. Deixo claro que existe a possibilidade de uma empregada doméstica que trabalha menos de três vezes por semana tenha reconhecido o vínculo por ação trabalhista.


Por isso, sugiro que, independentemente do número dias por semana que a empregada trabalhe, sua Carteira seja assinada e o INSS recolhido.



Voltar



Atividades que Exerce:


As atividades exercidas pelo empregado doméstico estão definidas pela CBO - Classificação Brasileira de Ocupações. O código do empregado doméstico é 5121-10.


A CBO descreve as condições gerais de exercício os seguintes requisitos: “trabalham em residências, diariamente, em tempo integral ou parcial, ou por jornada diária. As funções da diarista e da faxineira tem as seguintes distinções: a diarista tem uma gama de atividades maior, prepara refeições, lava, passa, arruma. É uma empregada doméstica para serviços gerais, em tempo parcial. A faxineira faz limpeza pesada, em dias fixados pelo empregador, tais como: lavar azulejos, banheiros, cozinhas, quintais.”



Voltar



Carteira de Trabalho e Previdência Social - CTPS:


A Carteira de trabalho, deve ser assinada pelo patrão desde o primeiro dia de trabalho da empregada.


Para solicitar a emissão de sua Carteira de Trabalho, procure o Ministério do Trabalho e Emprego da sua cidade aqui.


A inscrição no INSS como empregado doméstico, pode ser efetuada online neste link.


Como assinar a Carteira da minha empregada?


É só preencher os campos especificados na primeira página em branco que tiver como título "contrato de trabalho", com os seguintes dados:

- Nome do empregador;

- Espécie de estabelecimento: residência (sítio, chácara etc.);

- Data da admissão: a data do início das atividades;

- Cargo ou função: discriminar a função (empregada doméstica, babá, cozinheira, motorista etc.);

- Salário ajustado: não poderá ser inferior ao mínimo fixado por lei e deve ser pago mediante recibo assinado pelo empregado.

- Férias: data do início e término e o período aquisitivo;

- Data de saída: preenchida quando a empregada for demitida.



Voltar



Contrato de Experiência


E a "experiência"? Existe um "costume" entre os empregadores domésticos de manter a empregada doméstica trabalhando por três meses sem carteira assinada. Tal atitude é ILEGAL. O contrato de experiência não se aplica, a princípio, à empregada doméstica. Entretanto, na maioria das decisões judiciais têm os juízes reconhecido sua aplicação aos empregados domésticos. Por isto recomendamos que seja elaborado um contrato de experiência quando da contratação da empregada doméstica.


Mas independentemente da existência ou não do contrato de experiência, a Carteira de Trabalho DEVE ser assinada desde o primeiro dia de trabalho. O contrato de experiência apenas é necessário para que a empregadora não tenha que pagar a empregada o mês do aviso prévio. As demais verbas, como 13º e férias, serão sempre devidas, como veremos adiante.


O Contrato de Experiência pode ser celebrado por um prazo máximo de 90 dias, podendo ser prorrogado uma vez dentro deste prazo. Não existe um prazo mínimo.



Voltar



Descontos no Salário:


O empregador poderá descontar dos salários do doméstico, as seguintes parcelas:


- falta ao serviço não justificada (os atestados não são descontados),

- até 6% (seis por cento) do salário básico a título de vale transporte,

- adiantamentos concedidos mediante recibo,

- INSS no percentual previsto pela Previdência, neste link. Se por algum motivo o link não funcionar, uma vez que é externo, basta procurar “tabela de contribuição inss doméstico mps” que aponta direto para o Ministério da Previdência Social.



Voltar



Documentos Exigíveis na Admissão:


- Carteira de trabalho e previdência social (indispensável);

- Inscrição no INSS;

- Cartas de referência, se existentes;

- Atestado de saúde (se o empregador entender necessário). Salienta-se que este atestado não poderá, de forma alguma ser de gravidez. Tal prática é ilegal e completamente vedada pela legislação vigente.



Voltar



Demissão:


Existem 03 (três) tipos de demissão:

- por iniciativa do empregado: a pedido;

- por iniciativa do empregador: sem justa causa

- por iniciativa do empregador: por justa causa


No caso de pedido de demissão do empregado doméstico são devidas as seguintes verbas:

- aviso prévio (se trabalhar o mês do aviso, caso contrário, pode ser descontado o valor do aviso do que o empregado tiver a receber)

- saldo de salários (dias que o empregado trabalhou e não recebeu);

- décimo terceiro proporcional (aos meses que trabalhou).

- férias proporcionais (aos meses que trabalhou) ;


No caso de demissão sem justa causa do empregado doméstico, são devidas as seguintes verbas:

- aviso prévio;

- saldo de salários (dias que o empregado trabalhou e não recebeu);

- décimo terceiro proporcional (aos meses que trabalhou);

- férias proporcionais (aos meses que trabalhou) ;

- 1/3 de férias (sobre o valor pago a título de férias proporcionais).

- saque do Fundo de Garantia, se o empregador tiver optado pelo depósito,


Em razão da Convenção nº 132 da OIT, promulgada pelo Decreto Presidencial nº 3.197, de 5 de outubro de 1999, a qual tem força de lei e assegurou a todos os(as) empregados(as), inclusive os(as) domésticos(as), o direito a férias proporcionais, independentemente da forma de desligamento (arts. 146 a 148, CLT), mesmo que incompleto o período aquisitivo de 12 meses. Assim, o(a) empregado(a) que pede demissão antes de completar 12 meses de serviço, tem direito a férias proporcionais.


No caso de demissão por justa causa do empregado doméstico são devidas as seguintes verbas:

- saldo de salários (dias que o empregado trabalhou e não recebeu);


Constituem justa causa para rescisão do contrato de trabalho pelo empregador:

- ato de improbidade;

- incontinência de conduta ou mau procedimento;

- condenação criminal do empregado, passada sem julgado, caso não tenha havido suspensão da execução da pena;

- desídia no desempenho das respectivas funções;

- embriaguez habitual ou em serviço;

- ato de indisciplina ou de insubordinação;

- abandono de emprego;

- ato lesivo da honra ou da boa fama praticado no serviço contra qualquer pessoa, ou ofensas físicas, nas mesmas condições, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem;

- ato lesivo  da honra ou da boa fama ou ofensas físicas praticadas contra o empregador e superiores hierárquicos, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem;

- prática constante de jogos de azar.


Aviso Prévio:


Até 10/2011, o aviso prévio era de 30 (trinta) dias, independentemente do tempo de serviço do empregado na empresa. A partir da publicação da Lei 12.506/2011, em 13/10/2011 a duração passou a ser considerada de acordo com o tempo de serviço do empregado, podendo chegar até a 90 (noventa) dias.

Até um ano de trabalho, o empregado tem direito a 30 dias de aviso prévio. Após o primeiro ano, o empregado passa a ter direito a três dias a mais de aviso prévio para cada ano de serviço.


O aviso prévio é uma obrigação tanto do empregador como do empregado, isto é, se o empregado não desejar mais trabalhar é obrigado a informar de sua vontade com no mínimo 30 (trinta dias) de antecedência, o mesmo ocorrendo com o empregador que não desejar mais os serviços do empregado. Seu objetivo é efetivamente avisar à outra parte que a contraprestação dos serviços não mais ocorrerá.


Conseqüências do Aviso Prévio: O período do aviso prévio é considerado de efetivo exercício, refletindo sobre as férias e 13º salário. Se o empregador não der aviso prévio terá que indenizá-lo, isto é, pagará ao empregado 30 (trinta) dias (ou mais, dependendo do tempo de serviço do empregado) a mais no salário e seus reflexos sobre o 13º salário e férias, o mesmo ocorrendo com o empregado que abandonar o emprego repentinamente. Tanto o aviso prévio como o pedido de demissão obrigatoriamente serão por escrito e mediante recibo.


Voltar



Direitos Trabalhistas:


- Carteira de Trabalho devidamente assinada e anotada desde o 1º dia de trabalho;

- Salário mensal nunca inferior ao salário mínimo fixado em lei;

- Um dia de repouso por semana, de preferência aos domingos;

- Décimo Terceiro Salário, pago da seguinte forma: metade até o dia 30 de novembro de cada ano, e a outra metade até 20 de dezembro.

- Vale transporte para deslocamento casa/trabalho e vice-versa;

- Férias remuneradas de 30 dias. Nos primeiros 12 meses de trabalho o empregado adquire o direito às férias. Já nos 12 meses seguintes o empregador deve, obrigatoriamente, conceder os 30 dias de férias do empregado. Quem escolhe quando o empregado tira férias é o empregador. .

- Adicional de férias: este adicional, é pago toda vez que o empregado entra em férias, e consiste em 1/3 do salário.

- Licença maternidade de 120 (cento e vinte) dias). O salário maternidade poderá ser requerido no período de 28 (vinte e oito) dias antes até 92 (noventa e dois) dias após o parto, independente de carência;

- Licença paternidade de 5 (cinco) dias corridos, contados da data de nascimento do filho;

- Auxílio doença e aposentadoria por invalidez, respeitada a carência pelo INSS.


Que direitos o empregado urbano tem que o doméstico NÃO tem?  Empregado doméstico não tem direito a: PIS, salário família, horas extras, jornada de trabalho fixada em lei, adicional noturno, indenização por tempo de serviço, nem estabilidade, repouso remunerado dos feriados.

Feriados e Horas Extras


A Constituição Federal não confere à empregada doméstica a jornada de oito horas diárias e quarenta e quatro semanais. Consequentemente, não existem horas extras.


Desta forma, o horário de trabalho da empregada doméstica vai ser definido por acordo entre empregada e empregadora.


O único direito assegurado pela Constituição é o repouso semanal remunerado, preferencialmente aos domingos.


Com a publicação da Lei n.º 11.324, de 19 de julho de 2006, que revogou a alínea “a” do art. 5º da Lei n.º 605, de 5 de janeiro de 1949, os trabalhadores domésticos passaram a ter direito aos feriados civis e religiosos. Portanto, a partir de 20 de julho de 2006, data da publicação da Lei n.º 11.324/06, caso haja trabalho em feriado civil ou religioso o empregador deve proceder com o pagamento do dia em dobro ou conceder uma folga compensatória em outro dia da semana (art. 9º da Lei n.º 605/49).



Voltar



FGTS:


A partir do mês de março de 2000, através da Medida Provisória nº 1.986/99, a empregada passou a ter direito ao FGTS. Entretanto, o recolhimento é FACULTATIVO, ou seja, o empregador concede se quiser. Dependerá de acordo entre empregador e empregada.


Entretanto a partir do momento em que o recolhimento é efetuado pela primeira vez, algumas conseqüências se estabelecem, conforme veremos a seguir:

- a empregada passa a ter direito ao seguro desemprego durante até o máximo de três meses e um salário mínimo. O requisito fundamental para aquisição do direito, é que o FGTS esteja sendo recolhido há pelo menos 15 meses e a dispensa sem justa causa.

- a empregada adquire também o direito a perceber os 40% da multa do FGTS, paga pelo empregador.

- uma vez que o empregador iniciou o recolhimento, não pode desistir de fazê-lo, a menos que dispense a empregada sem justa causa


O fato é que na prática, recolher o FGTS de sua empregada doméstica é praticamente impossível sem contratar um contador. Isto porque você precisa ter o sistema da CAIXA, o SEFIP, que só para instalar precisa de um CNPJ e não é a coisa mais simples do mundo para instalar. O programa não é intuitivo e não é fácil para uma pessoa física. Experiência própria...


Voltar



A Gravidez da Empregada Doméstica:


A empregada doméstica não tem direito à estabilidade de até cinco meses após o parto podendo, portanto, ser dispensada.


A constituição conferiu tal direito apenas à empregada urbana, podendo desta forma ocorrer a demissão sem justa causa da doméstica durante a gravidez.


O que poderá acontecer se ela ajuizar uma ação trabalhista (dependendo do entendimento da Vara do Trabalho), é que seja determinado ao empregador que pague o valor relativo à licença gestante, equivalente a 120 dias. Isso porque se ela permanecesse trabalhando, receberia tais valores do INSS. Mas estas decisões são esparsas, apesar de possíveis.



Voltar



Outras Observações:


- caso o doméstico preste serviço tanto no âmbito doméstico do empregador, como na empresa dele, ficará descaracterizada a relação de emprego doméstico, constituindo vínculo com a empresa;

- porteiro, zelador, vigia, etc. de condomínio residencial, comercial ou rural, não é empregado doméstico;

- a data limite para o recolhimento do INSS é o dia 15 do mês subseqüente ao trabalhado.

- a data limite para o recolhimento do FGTS é o dia 7 do mês subseqüente ao trabalhado.


Voltar